CENYRA DE OLIVEIRA PINTO

“A vida que simplesmente passa, é rotina. A vida que em cada momento é sentida é realmente vida! Que no ano que se aproxima possamos viver e sentir os bons momentos presentes em cada dia, para que sejam realmente inesquecíveis”!

A inteligência divina, penetrante à nossa observação maior, é seiva indefinível que nutre todos os seres, clareia todas as consciências, palpita em todos os corações, vibra em todos os gestos, passeia em todas as frases a aflui em todas as descobertas. Honesto aos olhos de Deus será aquele que, possuído de abnegação e amor, consagra a existência do bem, ao progresso dos seus semelhantes; aquele que, animado de um zelo sem limites, for ativo na vida; ativo no cumprimento dos deveres materiais, ensinando e exemplificando aos outros o amor ao trabalho; ativo nas boas ações, sem esquecer a condição de servo ao qual o Senhor pedirá contas, um dia, do emprego do seu tempo; ativo finalmente na prática do amor de Deus e do próximo. O mandamento: ”Honrai a vosso pai e a vossa mãe” é um corolário da lei geral de caridade e de amor ao próximo, visto que não pode amar a seu próximo àquele que não ama a seu pai e a sua mãe; mas, o termo honre encerra um dever a mais para com eles: o da piedade filial. Honrar a seu pai e a sua mãe, não consiste apenas em respeitá-los; é também assisti-los na necessidade; é proporcionar-lhes repouso na velhice; é cercá-los de cuidados como eles fizeram conosco, na infância. Cada hora, no relógio terrestre, é um passo do tempo, impedindo-te às provas de que necessitas para a sublimação do teu destino.

Cenyra de Oliveira Pinto, grande escritora, nasceu em São Fidélis, estado do Rio de Janeiro, no dia 25 de novembro de 1903 e faleceu em outubro de 1996, no Rio de Janeiro, totalizando 93 anos de vida, bem vividos e direcionados para a vida espiritual. Tendo como seu guia o espírito de Jacy e sob a inspiração dele escreveu extensa obra, incluindo passagens de apoio moral, peças teatrais e diversas músicas. Cenyra Pinto como era mais conhecida foi fundadora do (MARA) Movimento Assistencial Roda de Amor. Durante mais de trinta anos, Cenyra de Oliveira Pinto foi dos autores espirituais mais populares do país. Nascida em berço católico, começou a trabalhar muito cedo, auxiliando o pai na sua loja. O gosto de escrever surgiu ainda quando residia no interior do Estado. Na década de vinte, publicou várias colaborações em revistas campistas e cariocas. Em 1929, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde passou o resto de sua vida e onde se iniciou no Espiritismo. Com uma violenta crise de depressão, foi levada a um centro por amigos. O diagnóstico foi imediato: “mediunidade descontrolada”. Educando sua mediunidade, revelou dons de psicografia. Figura atualmente do movimento espírita, Cenyra foi uma das fundadoras do Movimento Assistencial Roda do Amor. Sua produção literária, sob inspiração do guia espiritual Jacy, começa na década de sessenta. Em 1963, publicou “Levanta-te e Anda”, a que se sucederam outros belíssimos sete livros, peças teatrais e letras de músicas, reunidas em dois discos. Cenyra desencarnou em 1996. A espírita tem uma folha enorme de serviços prestados à doutrina espírita, deveria ser mais reconhecida pelas obras que deixou, pelas peças de teatro e músicas, uma biografia muito vasta, porém pouco explorada e este pequeno estudante de jornalismo juntando dados aqui e ali tenta reconstruir a imagem desta guerreira do Espiritismo, com pouca divulgação no movimento espírita.

Suas obras: Uma Voz no Silêncio (poesias); Levanta e Anda; Vem!...; Eu Sou o Caminho; A Verdade e a Vida; Conversa com a Vida; Momentos de Reflexões (pensamentos e poesias); Estou Aqui (Memórias). Seus discos: Mensagem e Vozes no Templo, suas peças teatrais: Nos Domínios da Mente (Peça Filosófica); A Última Lágrima. Num de seus livros que tem como título Conversa com a Vida pude observar que esta obra que se propõe a convidar as criaturas a confabularem consigo mesmo despertando-lhes o interesse por tudo que se passa no seu íntimo, a fim de que manifestem as descobertas desse encontro no mundo exterior. A primeira parte da obra se compõe de depoimentos de pessoas atingidas por grandes infortúnios e que encontram a solução dos seus problemas de forma diferente. A segunda parte contém mensagens de estímulo e confiança.

Com seu estilo simples e despretensioso, Cenyra Oliveira Pinto sabe como ninguém chegar ao coração dos leitores, sendo capaz de descobrir riquezas em tudo e de extrair lições de sabedoria e bondade nas situações mais comuns. Dentro das minhas possibilidades foi isso que consegui extrair e colocar a disposição dos interessados alguns aspectos da vida desta espiritista que trabalhou com denodo, dedicação e amor a causa da doutrina mais bela do mundo. E para não passa em branco queria abrilhantar, diamantizar, aurear esta matéria colocando como agradecimento uma passagem literária do inesquecível Francisco de Paula Cândido Xavier em homenagem a Cenyra Pinto.

Da Sabedoria Popular: Evita o excesso de adorno. De ovelha muito louca; Toda gente se aproxima; E todos desejam lã. Quando ouvires descrições; De dinheiro e santidade, Escreve as anotações; Na metade da metade. Deus te guarde de boi manso; Que até hoje vive em paz, Que touro bruto e bravo; Tu mesmo te guardarás. Procura falar no fim. Espera... Ao cair dos muros; Aparecem, muitas vezes, Serpentes, pedras, monturos. Quem, na casa paternal, Nunca sofre, nem atura, Em chegando ao mundo vasto; Espere por desventura. Não peças à Providência; Muito almoço, muita ceia, Que de carne farta e gorda; A sepultura está cheia. De nada valem bons verbos; E códigos de bom-tom, Se viver falando a esmo; Sem praticar o que é bom. No serviço edificante; Seja onde for, sê bem vindo! Recorda que enquanto dormes; Teu trabalho está dormindo. Não te dês à bajulice. O mais infeliz cortesão; perde a paz da vida livre; E acaba na escravidão. Se resistires à verdade, Sarcástico, altivo e forte, Será por ela esperado; No campo de dor da morte.


Casimiro Cunha-Psicografado por Francisco Cândido Xavier. Descansa em paz irmã Cenyra de Oliveira Pinto. Assim seja.

enviado por ANTONIO PAIVA RODRIGUES-MEMBRO DA ACI ALOMERCE E AOUVIRCE

 

 
Allan Kardec - Infância até diplomar-se
MEIMEI
André Luiz
Antonio Joaquim Freire
Peixotinho
Cenyra de Oliveira Pinto
Dr. Fritz
Eurípedes Barsanulfo
Joanna de Ângelis
Chico Xavier -1
Chico Xavier -2
Ermance Dufaux



O site Pingos de Luz não envia executáveis ou anexos.


Este Site não tem Fins Lucrativos


ATENÇÃO: ESTÃO LIGANDO PARA USUÁRIOS USANDO NOSSO NOME. NINGUÉM TEM ESSA PERMISSÃO
NÃO PASSEM DADOS OU QUALQUER INFORMAÇÃO PESSOAL

Estilo Net - Direitos Reservados